Patente afirma que computadores e TVs podem manipular o sistema nervoso humano

 

Patente afirma que computadores e TVs podem manipular o sistema nervoso humano

Traduzido e adaptado de Prepare for Change

Há, na internet, uma patente publicada na internet com o número de US 6506148 B2, pertencente a um indivíduo chamado Hendricus G. Loos. É difícil encontrar qualquer informação sobre ele, tirando o fato de ter registrado diversos pedidos de patente, com sucesso, todos relacionados à manipulação do sistema nervoso humano por meio de monitores de computador ou da TV. O resumo da patente afirma:

Foram observados efeitos fisiológicos num sujeito humano em resposta à estimulação da pele com campos eletromagnéticos fracos que são pulsados ​​em certas frequências próximas de ½ Hz ou 2,4 Hz, de modo a excitar uma ressonância sensorial. Muitos monitores de computador e tubos dos televisores, ao exibirem as imagens pulsadas, emitem campos eletromagnéticos pulsados ​​de amplitudes suficientes para causar tal excitação. É, portanto, possível manipular o sistema nervoso de um sujeito mediante um pulso em imagens exibidas num monitor de computador ou aparelho de TV próximo. Nesse último caso, a pulsação da imagem pode ser incorporada no material do programa, ou pode ser sobreposta pela modulação de um fluxo de vídeo, tanto como um sinal de RF, quanto como um sinal de vídeo. A imagem exibida num monitor de computador pode ser pulsada efectivamente por um simples programa de computador. Para certos monitores, os campos eletromagnéticos pulsados ​​capazes de excitar ressonâncias sensoriais nos sujeitos próximos podem ser gerados mesmo quando as imagens exibidas são pulsadas com intensidade subliminar.”

O preocupante disso, como explica em sua patente, é que até mesmo um pulso fraco pode ter efeitos adversos no sistema nervoso humano. Ele afirma também que a variação e força do pulso podem ser controladas por meio de softwares, e explica como isto ocorre, em relação aos monitores de computador, DVDs e outros. O inventor então conclui:

Certos monitores podem emitir pulsos de campos eletromagnéticos que excitam uma ressonância sensorial num sujeito próximo, através de pulsos de imagem que são tão fracos que podem ser subliminares.

Isso é lamentável, já que abre um caminho para a aplicação maliciosa da invenção, a qual as pessoas estão expostas sem conhecimento e consentimento, tendo seus sistemas nervosos manipulados para os propósitos de outros.

Tal aplicação seria antiética e, dessa maneira, não é defendida. Se menciona aqui com o fim de alertar ao público sobre a possibilidade de um abuso encoberto que pode ocorrer enquanto se está online ou assistindo à televisão.

 

A patente é cheia de exemplos sobre como o “sistema nervoso de um sujeito pode ser manipulado por meio de pulsos de campo eletromagnéticos emitidos por um monitor CRT ou LCD que exibe imagens com intensidade de pulso.”

Nosso sistema nervoso basicamente controla tudo em nosso corpo, ele é uma rede de células que carregam informação por todo o organismo, e não é nenhum segredo que os governos, principalmente os do EUA, possuem uma vasta história de casos de experimentos em seres humanos. Será que a televisão é, na verdade, uma tática de controle mental? Isto explicaria o porquê de tantas pessoas acreditarem nas coisas apresentadas pela mídia, instantaneamente, sem nem mesmo se questionarem da veracidade dos fatos. Em alguns casos, nós somos levados a idolatrar o que vemos na TV, como as celebridades, e imitá-las.

Às vezes, uma perspectiva apoiada por evidência e que contesta completamente as histórias e informações que recebemos por meio da mídia convencional passa a ser considerada uma teoria da conspiração. Será que chegamos a um ponto onde a televisão está pensando por nós? Poderiam estar usando as técnicas descritas acima para influenciar nossos pensamentos, comportamentos e percepções? Conhecendo nossos governos e as ações antiéticas tomadas por eles durante a história, isso não fica fora de questão.

Existe uma razão para a proibição do uso de celulares em aviões e hospitais: as transmissões eletromagnéticas causam interferência com outros aparelhos e, o cérebro não é diferente: ele é um órgão extremamente complexo capaz de gerar campos elétricos. Cientistas podem controlar o funcionamento do cérebro por meio de estimulação magnética transcraniana (EMT), uma técnica que usa pulsos intensos de radiação eletromagnética nos cérebros de um indivíduo para bloquear ou excitar determinados circuitos cerebrais. Se isso é semelhante ao que é descrito na patente, então até que ponto nossos monitores de computador e telas de televisão estariam fazendo isso?

Além disso, sabe-se, também, que os celulares podem afetar significativamente as ondas cerebrais de uma pessoa, o que, por sua vez, também causa efeitos em seu comportamento. Esta informação trata de um efeito sobre o corpo diferente do controle mental, mas que também deve ser mencionada.

A radiação eletromagnética pode ter um efeito sobre o comportamento mental quando transmitindo em uma certa frequência” – James Horne, do Centro de Pesquisa do Sono da Universidade de Loughborough (fonte)

Não só isso, mas centenas de cientistas se uniram e estão atualmente solicitando às Nações Unidas uma conscientização sobre os efeitos da radiação eletromagnética sobre a saúde. Elas estão ligados ao câncer e podem manipular nosso DNA. Você pode ler mais sobre isso aqui. A iniciativa foi iniciada pelo Dr. Martin Blank, Ph.D., do Departamento de Fisiologia e Biofísica Celular da Universidade da Colômbia, que se juntou a um grupo de cientistas de todo o mundo fazendo um apelo internacional às Nações Unidas em relação aos perigos associados ao uso de vários dispositivos emissores de campos eletromagnéticos.

“Colocando de forma direta, elas estão danificando as células vivas em nossos corpos e matando muitos de nós prematuramente”, afirma Dr. Martin Blank, do Departamento de Fisiologia e Biofísica Celular da Universidade de Columbia, em uma mensagem em vídeo.

Criamos algo que está nos prejudicando e que está ficando fora de controle. Antes da lâmpada de Edison, havia muito pouca radiação eletromagnética em nosso ambiente. Os níveis hoje são muito mais altos do que os níveis naturais e estão crescendo rapidamente por causa de todos os novos dispositivos que emitem essa radiação ”.

Nossos dispositivos eletrônicos não apenas monitoram, assistem e registram tudo o que fazemos, mas também podem influenciar nosso comportamento, percepções, pensamentos e sentimentos em larga escala. Mas quem realmente sabe se “os poderosos” estão usando esses dispositivos para o controle mental, da mesma forma que eles os usam para vigilância?

Quando se trata de controle mental, sabe-se sobre o projeto MK ultra da CIA. Acredita-se normalmente que apenas o LSD foi utilizado em testes com humanos, mas isso foi apenas um dos programas. Como a Suprema Corte dos EUA revelou em 1985, a MK Ultra consistia em 162 projetos secretos diferentes que eram indiretamente financiados pela CIA, e contratados por várias universidades, fundações de pesquisa e instituições similares. A maioria dos registros do MK Ultra foram na verdade destruídos e nunca foram vistos, o que levanta muitas questões relacionadas ao tema. Será que a televisão, a internet e os celulares não fazem parte desse projeto de controle mental?

É difícil encarar a ideia de que poderíamos ser manipulados e usados dessa maneira, mas é uma realidade que temos de enfrentar. Há exemplos ilimitados disso ao longo da história até os dias modernos, e todos os aspectos da vida humana aparentam ser controlados por um seleto grupo de pessoas: nós nos tornamos ferramentas.

Não tenho dúvidas de que nossa televisão e outros dispositivos eletrônicos têm efeitos prejudiciais à saúde, e que podem afetar nosso sistema nervoso de várias maneiras diferentes. Tudo isso e muito mais são motivos para se gastar menos tempo na frente das telas e mais tempo com livros, ou fora de casa, com a família e os amigos. Uma coisa é certa: nossas telas são prejudiciais à nossa saúde de diferentes maneiras.

 

Traduzido por M.G.O.

Facebook Comments